cisalhamento do solo

ensaio de compressão

Sondagem de Solo

Sondagens e Ensaios de Campo

Sondagem a Trado (ST) com coleta de amostra

Sondagem a Percussão (SPT)

Sondagem Mista (SM)

Sondagem Rotativa (SR)

Poço de Inspeção de Pavimento (PI)

Ensaios de Umidade e Densidade in-situ

Coleta de Amostras Indeformadas e Deformadas

Ensaios de Laboratório

Preparação de amostras para ensaios de compactação, caracterização e umidade

Ensaios de Limite de Liquidez (LL) e Plasticidade (LP)

Determinação da Densidade Real dos Grãos

Análise Granulométrica (Peneiramento e Sedimentação)

Ensaio de Compactação (Proctor Normal, Intermediário e Modificado)

Determinação do Índice de Suporte Califórnia (CBR)

Classificação MCT (Miniatura Compactado Tropical)

Ensaio de Cisalhamento Direto

Controle Tecnológico

Camada Final de Terraplanagem

Controle de Deflexão de Camadas com Viga Benkelman

EN

O futuro não é o lugar para onde estamos indo, mas o lugar que hoje estamos construindo.

by Lúcia Helena

Toggle nav

Conceito de Mapeamento Geológico e Mapeamento Geotécnico. Quais informações os mapeamentos devem trazer?

foto - Conceito de Mapeamento Geológico e Mapeamento Geotécnico. Quais informações os mapeamentos devem trazer? por Equipe de Pesquisa em 21/02/2019
255 17

O mapeamento geológico envolve a realização e o registro de observações geológicas objetivas - em campo - para a produção de um mapa geológico que contenha dados relativos aos tipos de rochas presentes nas áreas, aos contatos entre as litologias, às estruturas geológicas, aos depósitos superficiais e às feições topográficas e geomorfológicas. Sua finalidade é ampla, mas geralmente direcionada à pesquisa mineral.

O mapeamento geotécnico constitui um método para apresentar cartograficamente informações geológicas-geotécnicas para fins de planejamento e uso do território e também para fins de projetos, construção e manutenção de obras de Engenharia. Logo, além dos dados inerentes à natureza de um mapa geológico, o mapa geotécnico inclui dados relativos à natureza de um mapa geológico e inclui dados dados relativos  às características e propriedades do solo e subsolo de um determinado local para avaliar seu comportamento, bem como prever o comportamento e os prováveis problemas geológico-geotécnicos decorrentes da sua utilização em projetos de Engenharia.  (Vallejo et. al.,2002).

O conteúdo e o detalhe das informações de um mapa geológico-geotécnico são função da escala, dos objetivos, da importância dos diferentes fatores geológico-geotécnicos e suas relações, das informações disponíveis e da técnica de apresentação. 

Em geral, os mapas de pequena escala (regionais) são inferiores a 1:10.000, os de média escala são entre 1:100.000 e 1:1000 e os de grande escala (locais) são os superiores a 1:10.000. Em investigações de sítios de barragens e mapeamentos de frentes de escavação, os mapas geológicos em escala de detalhe 1:5.000 a 1:1000 recebem a denominação de plantas geológicas ou plantas geológico-geotécnicas

Independente do tipo de mapa, eles devem incluir uma série de informações básicas, tais como: 

  • Topografia e Toponímia;
  • Distribuição e descrição das unidades geológicas;
  • Espessura de Solos;
  • Formações superficiais e Rocha alterada;
  • Descontinuidades e Dados estruturais;
  • Classificação geotécnica dos solos e rochas;
  • Propriedades dos Solos e Rochas;
  • Condições hidro-geológicas e geomorfológicas;
  • processos dinâmicos;
  • Investigações prévias existentes;
  • Riscos geológicos (Vallejo et. al.,2002).

A observação direta in loco será sempre insubstituível e imprescindível para um projeto de obra civil. Fossen (2012) destaca que: " É difícil exagerar a importância das tradicionais observações de campo de rochas deformadas e suas estruturas. As rochas contém mais informações do que seríamos capazes de extrais delas, e o sucesso de qualquer modelo físico ou numérico se baseia na precisão das observações de campo. A abordagem direta das rochas e de suas estruturas, sem filtros ou interpretações de especialistas ou programas de computação, ainda tem valor inestimável. "


Precisando de sondagem? 

A Suporte pode te ajudar! Solicite um orçamento através do e-mail: orcamento@suportesolos.com.br


Bibliografia:

FOSSEN, H. Geologia Estrutural. São Paulo: Oficina de Textos, 2012. 

Geologia de Engenharia e Ambiental, volume 2: Métodos e Técnicas / editores Antonio Manoel dos Santos Oliveira, João Jerônimo Monticelli. São Paulo: ABGE  Associação Brasileira de Geologia de Engenharia e Ambiental, 2018.

Manual de Sondagens/ Coordenador Ivan José Delatim; comissão coordenadora Elisângela Oliveira [et al.]. 5.Edição, São Paulo: ABGE - Associação Brasileira de Geologia de Engenharia e Ambiental, 2013.

Vallejo, L.I.G.; Ferrer, M; Ortuño, L. Oteo, C. Ingenéría geológica. Madrid: Pearson Educación, 2002.



Leia também:

Apresentação dos Resultados das Investigações Geológico-Geotécnicas e Geoambientais: acesse aqui

Sondagem Rotativa (SR) - Apresentação dos Resultados: acesse aqui

Sondagem a Percussão (SP) - Ensaio de Lavagem por Tempo: acesse aqui

Sondagem a Percussão (SP) - Procedimentos - Execução com qualidade, eficiência e segurança: acesse aqui

Sondagem a Percussão (SP) - Equipamentos e Ferramentas - itens necessários: acesse aqui

Sondagem a Percussão (SP) - Identificação dos furos - Como fazer de forma padronizada? acesse aqui 

Sondagem a Percussão (SP) - Ensaio SPT - A técnica mais popular de investigação geotécnicaacesse aqui.

Sondagem a Percussão (SP) - O que é? Qual é Norma (ABNT) de Referência? acesse aqui.







Leave a comment