cisalhamento do solo

ensaio de compressão

Sondagem de Solo

Sondagens e Ensaios de Campo

Sondagem a Trado (ST) com coleta de amostra

Sondagem a Percussão (SPT)

Sondagem Mista (SM)

Sondagem Rotativa (SR)

Poço de Inspeção de Pavimento (PI)

Ensaios de Umidade e Densidade in-situ

Coleta de Amostras Indeformadas e Deformadas

Ensaios de Laboratório

Preparação de amostras para ensaios de compactação, caracterização e umidade

Ensaios de Limite de Liquidez (LL) e Plasticidade (LP)

Determinação da Densidade Real dos Grãos

Análise Granulométrica (Peneiramento e Sedimentação)

Ensaio de Compactação (Proctor Normal, Intermediário e Modificado)

Determinação do Índice de Suporte Califórnia (CBR)

Classificação MCT (Miniatura Compactado Tropical)

Ensaio de Cisalhamento Direto

Controle Tecnológico

Camada Final de Terraplanagem

Controle de Deflexão de Camadas com Viga Benkelman

EN

O futuro não é o lugar para onde estamos indo, mas o lugar que hoje estamos construindo.

by Lúcia Helena

Toggle nav

Um breve histórico das comunicações terrestres do Brasil desde o século XVI

foto - Um breve histórico das comunicações terrestres do Brasil desde o século XVI por Maurício Malanconi em 03/12/2018
255 17

Os estudos sobre as estradas existentes no Brasil iniciam-se a partir do descobrimento e, muitas pesquisas arqueológicas precisam ainda ser desenvolvidas para que se possa conhecer mais a respeito dos caminhos que eram utilizados pelos povos pré-cabralinos. Buscou-se, a partir das referências citadas adiante, fazer uma cronologia - de forma sucinta e ilustrativa - dos caminhos abertos no território brasileiro, partindo do início do século XVI, passando pelo Império, pela República, até os dias de hoje. 

De acordo com Bernucci et al.,(2006), durante o governo de Mem de Sá, terceiro governador- geral do Brasil, em 1560, é reportada a primeira estrada brasileira - o caminho aberto para ligar São Vicente ao Planalto Piratininga.

Essa ligação compreendia três trechos distintos: o de planalto até o Rio das Pedras, o de Serra até Cubatão e o da Baixada, que, com seu emaranhado de rios e canais, havia a alternativa de navegação. Em 1661, esse caminho é recuperado pelo governo da Capitania de São Vicente. Em 1789, foi iniciada uma pavimentação no trecho da serra, com lajes de granito, a chamada Calçada de Lorena - nome dado em homenagem ao governador da capitania - Bernardo José Maria de Lorena, pelo Real Corpo de Engenheiros Portugueses e concluída em 1792. A mão- de-obra era obtida de escravos cedidos à obra por devedores à capitania, indígenas, pessoas marginalizadas recrutadas, soldados, marinheiros e desocupados capturados. Assim, não havia interesse em desenvolver e aprimorar técnicas profissionais.

A Figura 1 mostra o primeiro caminho pavimentado com pedras entre São Paulo e o Porto, utilizado para o escoamento da produção de açúcar produzido nas vilas do interior.

Figura 1 – Calçada de Lorena. Disponível em: http://vipbus.wordpress.com/2009/11/29/as-curvas-da- estrada-de-santos/. Acesso em: 24/08/2012.

Em 1837, com uma nova lei do Império, que autoriza a existência de barreiras nas estradas - uma espécie de pedágio, conhecida como "Renda da Barreira”, - desde que os recursos recolhidos sejam aplicados na melhoria delas, tem início, neste local, a construção da Estrada da Maioridade, usando parte do traçado da Estrada do Mar. Essa nova construção, concluída em 1844, recebe esse nome em homenagem à maioridade de D. Pedro II. Em 1904, com o fim da lei, a estrada foi praticamente abandonada, pois concorria diretamente com a linha férrea, inaugurada em 1867.

Em 1837, com uma nova lei do Império, que autoriza a existência de barreiras nas estradas - uma espécie de pedágio, conhecida como "Renda da Barreira”, - desde que os recursos recolhidos sejam aplicados na melhoria delas, tem início, neste local, a construção da Estrada da Maioridade, usando parte do traçado da Estrada do Mar. Essa nova construção, concluída em 1844, recebe esse nome em homenagem à maioridade de D. Pedro II. Em 1904, com o fim da lei, a estrada foi praticamente abandonada, pois concorria diretamente com a linha férrea, inaugurada em 1867.

Em 1920, foi criada por Rudge Ramos a Sociedade Caminho do Mar, responsável pela reconstrução da estrada, que teve seu trecho mais íngreme pavimentado com concreto em 1922. No ano seguinte, o governo do Estado adquiriu a "Sociedade Caminho do Mar" e abriu a estrada ao público, cessando a cobrança de pedágio. Parte da estrada ligando Santos a Cubatão foi asfaltada em 1928 e já se começava a discutir a construção de nova via. O que só foi possível em 1939, quando tiveram início as obras da Via Anchieta. Em abril de 1947, o governador Adhemar de Barros entregou a sua obra, embora não estivesse completa (só a pista ascendente), e, dois anos depois, foi inaugurada a outra pista. A Figura 2 mostra o passeio inaugural.

Figura 2 – Inauguração da Via Anchieta, em 1947. Foto: Rafael Dias Herrera. Acervo Fundação Arquivo e Memória de Santos (FAMS). Disponível em: http://www.novomilenio.inf.br/santos/h0102i.htm. Acesso em: 24/08/2012

Durante o período do Império do Brasil, merece destaque a Estrada da Serra da Estrela. No início do século XIX, para ir do Rio à Petrópolis era preciso tomar um barco a vapor na Praça XV (Cais dos Mineiros), desembarcar no Porto Mauá (Porto Estrela), seguir a pé ou a cavalo por uma estrada precária até Raiz da Serra (cerca de 15 quilômetros) e, finalmente, tomar uma diligência até Petrópolis (mais 14 quilômetros). Em 1841, o Imperador D. Pedro II encarregou o engenheiro Júlio Frederico Koeler de aprimorar o curso e a pavimentação dessa trilha, que era conhecida como Calçada de Pedras e fazia parte do Caminho do Ouro para Minas Gerais. De acordo com Prego (2001), “sua largura total era de 7,20 m e a faixa empedrada possuía uma largura de 5,00 m, excluídas as sarjetas, que eram de cantaria e possuíam seção trapezoidal”. Um novo traçado foi feito do Porto Estrela até o rio Paraíba do Sul, passando pela Fazenda Córrego Seco (atual Petrópolis) onde a família imperial costumava passar o verão. Denominada de Estrada Normal da Serra da Estrela, essa interessante via pode ser percorrida até hoje.
Outro caminho criado no século XVII pela Coroa portuguesa foi a Estrada Real, com a única intenção de fiscalizar a circulação das riquezas e mercadorias que transitavam entre Minas Gerais - ouro e diamante - e o litoral do Rio de Janeiro - capital da colônia por onde saíam os navios para Portugal e que possui até hoje antigos registros e postos fiscais de controle. Ribas (2003) relata que em 1660, o governador Salvador Correia de Sá e Benevides ordenou a abertura da antiga trilha indígena A estrada possui dois caminhos, o velho, que liga Ouro Preto (MG) a Paraty (RJ), e o mais novo, que segue do Rio de Janeiro a Diamantina (MG), também passando por Ouro Preto, conforme Figura abaixo:

Figura 3 – Estrada Real. Disponível em: http://primeirafonte.blogspot.com.br/2011/01/ouros-e- diamantes-da-estrada-real.html. Acesso em: 24/08/2012.

Bernucci et al.,(2006) relata que a Estrada Real originou-se a partir de uma antiga trilha usada pelos índios goianás e que já existia muito antes da chegada dos colonizadores, daí resulta a denominação Trilha Goianá, também utilizada. Pedra sobre pedra, encaixes perfeitos com sistemas funcionais de drenagem. A Figura a seguir mostra um trecho da Estrada Real: