cisalhamento do solo

ensaio de compressão

Sondagem de Solo

Sondagens e Ensaios de Campo

Sondagem a Trado (ST) com coleta de amostra

Sondagem a Percussão (SPT)

Sondagem Mista (SM)

Sondagem Rotativa (SR)

Poço de Inspeção de Pavimento (PI)

Ensaios de Umidade e Densidade in-situ

Coleta de Amostras Indeformadas e Deformadas

Ensaios de Laboratório

Preparação de amostras para ensaios de compactação, caracterização e umidade

Ensaios de Limite de Liquidez (LL) e Plasticidade (LP)

Determinação da Densidade Real dos Grãos

Análise Granulométrica (Peneiramento e Sedimentação)

Ensaio de Compactação (Proctor Normal, Intermediário e Modificado)

Determinação do Índice de Suporte Califórnia (CBR)

Classificação MCT (Miniatura Compactado Tropical)

Ensaio de Cisalhamento Direto

Controle Tecnológico

Camada Final de Terraplanagem

Controle de Deflexão de Camadas com Viga Benkelman

EN

O futuro não é o lugar para onde estamos indo, mas o lugar que hoje estamos construindo.

by Lúcia Helena

Toggle nav

Sondagens a Percussão (SPT) - Preciso mesmo fazer? - Artigo

foto - Sondagens a Percussão (SPT) - Preciso mesmo fazer? - Artigo por Belén Cogliati Lodeiro em 28/01/2018
255 17

Vamos imaginar a seguinte cena:

Um empreendedor contrata o projeto para sua obra, que pode ser uma casa, um prédio, um corte, um aterro ou até uma ponte... O engenheiro que está fazendo o projeto solicita sondagens, que podem ser a percussão, a trado, mistas...

De imediato surgem as seguintes dúvidas... ''Essas sondagens são realmente necessárias? É lógico que o empreendedor vai se questionar, afinal de contas, a obra deve ter o menor custo possível, mas, além disso, também deve ser segura e atender às normas brasileiras vigentes. ''Então, preciso mesmo fazer?''

Para obter essas respostas, é necessário entender alguns pontos:


  • O que são as sondagens a percussão com medida de SPT?

As sondagens a percussão, com medida de SPT (do inglês, Standard Penetration Test) são prospecções do solo onde são feitos ensaios (tests) utilizando-se um equipamento ''padrão'' (Standard), chamado de amostrador, para penetrar (Penetration) o solo. 


  • Qual é a finalidade?

A finalidade é obter amostras do solo para se conhecer as suas características, ou seja, tipo de solo, cor, geologia, valores de resistência à penetração do amostrador etc. Serve ainda para se constatar a  presença ou não de água e a cota específica em que foi detectada.

O valor de resistência à penetração do amostrador SPT é chamado de N (segundo a NBR 6484/2001), mas nas bibliografias também aparece como SPT ou Nspt.


  • Como são feitas?

De forma simplificada é feita da seguinte forma:

Após a preparação do terreno, depois de retirar a cobertura vegetal e abrir uma plataforma (caso seja necessário) a fim de deixar a superfície livre de obstáculos para a instalação do tripé e fazer sulcos ao redor do furo, para que a água seja desviada em caso de chuva,  é feito um furo com trado concha até um metro de profundidade.

O amostrador padrão é instalado na haste do equipamento e apoiado no fundo do furo. Crava-se o amostrador no solo e bate-se nele com um martelo de 65 kg, caindo de uma altura de 75 cm. Anota-se a quantidade de golpes que serão necessários para que o amostrador penetre 45 cm do solo, anotando os golpes necessários a cada 15 cm de cravação.

Após anotar os resultados do ensaio, o amostrador é retirado e utilizando treado concha ou trado helicoidal, escava-se mais um metro. O amostrador é inserido e é medida novamente a quantidade de golpes necessários para descer 45 cm (anotando a quantidade de golpes a cada 15 cm).

Este procedimento é repetido até ter atingido o critério de paralisação, ou quando for atingido o impenetrável à percussão ou lavagem.

Se for atingido o lençol freático e o trado helicoidal avançar menos de 5 cm em 10 min de operação contínua, pode-se iniciar o método de lavagem. É utilizada uma bomba de forma a injetar água na extremidade do furo, através de uma haste de menor diâmetro que o furo. O objetivo é amolecer o solo do fundo do furo, a fim de conseguir avançar. O operador deixa cair a haste de uma altura aproximada de 30 cm, fazendo movimentos de rotação para um lado e para outro, de forma alternada,

O material escavado é removido por meio de circulação de água.

Se a parede do furo for instável, deve ser inserido no furo um tubo de revestimento.

Os resultados são anotados da seguinte forma, por exemplo: 2/15 1/15 3/15. Estes valores querem dizer que foram necessários 2 golpes para descer os primeiros 15 cm, 1 golpe para descer mais 15 cm e 3 golpes para descer os últimos 15 cm dos 45 cm medidos.

O valor do SPT (também chamado de N ou Nspt) é a soma dos golpes necessários para descer os 30 cm finais. Neste caso N seria 1/15 + 3/15 => 4/30 ou simplesmente 4 (4 golpes para descer 30cm).

Pode acontecer que o solo seja muito fraco e que o próprio peso do amostrador o faça descer, e, nesse caso, deve ser anotado o quanto penetrou o amostrador. Por exemplo: P/60 – quer dizer que o próprio peso do amostrador o fez descer 60 cm. Pode acontecer de o solo ser muito duro e, nesse caso, os resultados podem ser anotados da seguinte forma no boletim de sondagens: 30/5 - o que quer dizer que foram necessários 30 golpes para penetrar no solo 5 cm.


  • Algumas vezes pode ser impenetrável à percussão. Quando isso ocorre?

Quando em qualquer dos três segmentos de 15 cm, o número de golpes ultrapassar 30 ou quando o número de golpes for maior que 50 em 45 cm.   E se o amostrador não avançar após 5 golpes sucessivos do martelo, a cravação pode ser interrompida. Nestes casos, o material é considerado impenetrável à percussão.


  • Pode ser impenetrável à lavagem? Quando isso ocorre?

Quando o avanço for menor que 5 cm por período de 10 minutos, em três períodos consecutivos de 10 min, o material é considerado impenetrável à lavagem.

A Norma Brasileira que prescreve o método de execução de sondagens de simples reconhecimento de solos, com SPT, é a NBR 6484/2001.


Belén Cogliati Lodeiro

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade de São Paulo (2006) e mestrado em Engenharia Geotécnica pela Universidade de São Paulo (2011). Atualmente é coordenadora da área de geotecnia na empresa Canhedo Beppu Engenheiros Associados Ltda. Tem experiência na área de Infraestrutura Rodoviária, com ênfase em Engenharia Geotécnica.



Leave a comment