cisalhamento do solo

ensaio de compressão

Sondagem de Solo

Sondagens e Ensaios de Campo

Sondagem a Trado (ST) com coleta de amostra

Sondagem a Percussão (SPT)

Sondagem Mista (SM)

Sondagem Rotativa (SR)

Poço de Inspeção de Pavimento (PI)

Ensaios de Umidade e Densidade in-situ

Coleta de Amostras Indeformadas e Deformadas

Ensaios de Laboratório

Preparação de amostras para ensaios de compactação, caracterização e umidade

Ensaios de Limite de Liquidez (LL) e Plasticidade (LP)

Determinação da Densidade Real dos Grãos

Análise Granulométrica (Peneiramento e Sedimentação)

Ensaio de Compactação (Proctor Normal, Intermediário e Modificado)

Determinação do Índice de Suporte Califórnia (CBR)

Classificação MCT (Miniatura Compactado Tropical)

Ensaio de Cisalhamento Direto

Controle Tecnológico

Camada Final de Terraplanagem

Controle de Deflexão de Camadas com Viga Benkelman

EN

O futuro não é o lugar para onde estamos indo, mas o lugar que hoje estamos construindo.

by Lúcia Helena

Toggle nav

Determinação do Teor de Umidade - Ensaios Geotécnicos.

foto - Determinação do Teor de Umidade - Ensaios Geotécnicos. por Equipe Laboratório em 29/06/2018
255 17

A água desempenha papel importante no comportamento dos solos, especialmente nos de granulação fina. Assim, a quantidade de água pode provocar modificações nas propriedades dos solos, como: 

  • A plasticidade das argilas; 
  • A diminuição da resistência ao cisalhamento, por saturação;
  • A contração, por secagem;
  • A facilidade de compactação. 

Convencionou-se denominar ''teor de umidade'' a relação, expressa em percentagem, entre o peso da água existente numa certa massa de solo e o peso das partículas sólidas: 

A principal dificuldade na determinação prática da umidade reside na definição do peso seco, pois a presença da água nos solos pode acontecer conforme várias modalidades, a saber: 


1. Água livre ou orientada, existente nos vazios do solo.

A água livre representa a maior parcela da água existente nos solos podendo, em alguns casos, exceder o peso das partículas sólidas. Nos solos argilosos, as partículas de argila mineral, química e eletricamente ativas interagem com as moléculas da água nos vazios, cuja estrutura molecular se comporta como um dipolo elétrico. Desse modo, existem moléculas de água orientadas, cuja quantidade depende da superfície específica das partículas do solo, tipo do mineral e da presença ou ausência de íons na água dos vazios. Nos solos arenosos (areias, pedregulhos etc), os processos padronizados para a determinação do teor de umidade removem toda a água livre sem afetar a estrutura individual das partículas. Entretanto, nos solos coesivos (argilas) e solos orgânicos, as partículas individuais podem ser afetadas pela secagem em estufa. 


2. Água de hidratação 

Trata-se da água presente nas unidades da estrutura cristalina das argilas. Exceto para alguns tipos de argilas, a secagem em estufa à temperatura de 110º C não remove a água de hidratação. 


3. Água adsorvida.

As moléculas de água, próximas à superfície, ficam fortemente orientadas, pois são fortemente atraídas à superfície do cristal de argila, pelas altas forças elétricas superficiais. A essa camada de água denomina-se água adsorvida. A camada de água adsorvida possui características diferentes da água livre, apresentando-se com maiores peso específico e viscosidade e comportando-se mais como um sólido do que como líquido. Várias propriedades dos solos, como plasticidade, movimento da água e ligação das partículas, são influenciadas pela camada de água adsorvida. Somente temperaturas muito elevadas (> 700º C) podem remover a água adsorvida. 


A questão foi resolvida na Mecânica dos Solos, convencionando-se que o peso seco é o que se obtém, secando-se o material em estufa, com temperaturas de 105º C a 110º C, durante um período suficiente, para chegar-se a um peso constante. Em geral, são necessárias 15 a 16 horas de estufa para obter-se uma amostra seca. Na realidade, a escolha da temperatura é arbitrária, pois o solo continua com a película de água adsorvida. Considera-se que a 105 -110ºC, a água remanescente já faz parte da estrutura sólida.


O teor de umidade pode ser determinado pelos seguintes métodos: 

1. Método de laboratório 

  • Método da secagem em estufa;

2. Métodos expeditos (normatizados) 

  • Método expedito do ''Speedy'';
  • Método expedito do álcool.

3. Método expedito (não normatizado)

  • Método do banho de areia (ou da frigideira).


Cada um desses métodos serão especificamente demonstrados nas próximas postagens.   


Precisando de Ensaios Geotécnicos? 

A Suporte pode te ajudar! Solicite um orçamento através do e-mail: orcamento@suportesolos.com.br


Leia também:

Ensaios Geotécnicos - Ensaio de Cisalhamento Direto  - O Objetivo e a Finalidade: acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Análise Granulométrica do Solo - A Curva e os Tipos de Análise:  acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Análise Granulométrica do Solo - O Objetivo e as Frações de Solo:  acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Compactação de Solos - Possíveis Fontes de Erros:  acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Compactação de Solos - O Ensaio e as Energias de Compactação acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Compactação de Solos - O Histórico e o Conceito acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Preparação de Amostras de Solo para Ensaios de Caracterização:  acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Classificação HRB - O método e os ensaios necessários: acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Consistência do Solo - Ensaios de Limite de Liquidez (LL) e de Plasticidade (LP): acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Teor de Umidade dos Solos - Método da Estufa e o Método Speedy: acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - CBR ou ISC - O Ensaio mais utilizado pelo Engenheiro de Pavimento:  acesse aqui


Leave a comment