cisalhamento do solo

ensaio de compressão

Sondagem de Solo

Sondagens e Ensaios de Campo

Sondagem a Trado (ST) com coleta de amostra

Sondagem a Percussão (SPT)

Sondagem Mista (SM)

Sondagem Rotativa (SR)

Poço de Inspeção de Pavimento (PI)

Ensaios de Umidade e Densidade in-situ

Coleta de Amostras Indeformadas e Deformadas

Ensaios de Laboratório

Preparação de amostras para ensaios de compactação, caracterização e umidade

Ensaios de Limite de Liquidez (LL) e Plasticidade (LP)

Determinação da Densidade Real dos Grãos

Análise Granulométrica (Peneiramento e Sedimentação)

Ensaio de Compactação (Proctor Normal, Intermediário e Modificado)

Determinação do Índice de Suporte Califórnia (CBR)

Classificação MCT (Miniatura Compactado Tropical)

Ensaio de Cisalhamento Direto

Controle Tecnológico

Camada Final de Terraplanagem

Controle de Deflexão de Camadas com Viga Benkelman

EN

O futuro não é o lugar para onde estamos indo, mas o lugar que hoje estamos construindo.

by Lúcia Helena

Toggle nav

Compactação de Solos - Ensaios Geotécnicos - O Ensaio e as Energias de Compactação.

foto - Compactação de Solos - Ensaios Geotécnicos - O Ensaio e as Energias de Compactação. por Equipe Laboratório em 17/07/2018
255 17

O ensaio de compactação, hoje em dia, é conhecido como Ensaio normal de Proctor (ou AASHTO Normal). Essa metodologia foi desenvolvida pelo engenheiro Ralph Proctor em 1933, sendo normatizada nos Estados Unidos pela A.A.S.H.O - American Association of State Highway Officials e no Brasil sua execução segue a norma ABNT NBR 7182/1986 - Ensaios de Compactação

É um dos mais importantes procedimentos de estudo e controle de qualidade de aterros de solo compactado. Através dele é possível obter a densidade máxima do maciço terroso, condição que otimiza o empreendimento com relação ao custo e ao desempenho estrutural e hidráulico. Consiste em se compactar uma amostra dentro de um recipiente cilíndrico, com aproximadamente 1.000 cm³, em 3 camadas sucessivas, sob a ação de 25 golpes de um soquete pesando 2,5 kg, caindo de 30,5 cm de altura.

O ensaio é repetido para diferentes teores de umidade, determinando-se, para cada um deles, o peso específico aparente. Com os valores obtidos, traça-se a curva Vs x teor de umidade, obtendo-se o ponto correspondente a umidade ótima (hot) e a densidade máxima aparente seca (Vs,max). Para o traçado da curva é conveniente a determinação de, pelo menos, cinco pontos, de forma a que dois deles se encontrem no ramo ascendente (zona seca), um próximo à umidade ótima e os outros dois no ramo descendente da curva (zona úmida). A energia de compactação desse ensaio é de aproximadamente 5,7 kg.cm/cm³, calculada pela expressão:

Em que:

E = Energia específica de compactação, por unidade de volume;

P = Peso do soquete (kg);

h = Altura de queda do soquete (cm);

N = Número de golpes por camada

n = Número de camadas;

V = Volume do solo compactado (cm³).


Atualmente, tendo em vista o maior peso e eficiência dos equipamentos de compactação, tornou-se necessário alterar as condições do ensaio para manter a indispensável correlação com o esforço de compactação obtido no campo. Surgiram, assim, as energias Intermediária e o Modificada de Proctor (ou AASHTO Intermediário e Modificado), com energias de compactação de 12.8 e 27.1 kg.cm/cm³, respectivamente.

Na prática rodoviária é comum utilizar-se, nos ensaios de compactação, o mesmo molde metálico e o soquete utilizados no ensaio CBR (Índice de Suporte Califórnia), modificando-se o número de golpes e o número de camadas para a obtenção das mesmas energias previstas no ensaio Proctor. 

Na imagem a seguir estão mostradas as dimensões e os pesos dos soquetes utilizados:


O método de ensaio mais adotado é DNER ME-129/94 Solos - Compactação utilizando amostras não trabalhadas. Esse ensaio, utilizando o Equipamento AASHTO, pode ser realizado nas três energias de compactação, compactando-se cada camada com: 12 golpes (Energia Normal), 26 golpes (Energia Intermediária) ou 55 golpes (Energia Modificada). Segundo esse método, não pode haver reaproveitamento do solo compactado, devendo, cada corpo-de-prova, ser compactado com amostra não utilizada.

Evidentemente, aumentando-se a energia de compactação serão obtidos valores diferentes para a umidade ótima (hot) e para a densidade máxima aparente seca (Vs,max). Como se verifica pela figura seguinte, ao crescer o esforço de compactação o densidade máxima aparente seca aumenta e a umidade ótima decresce ligeiramente.



Esse fenômeno pode ser explicado pelo fato de que quanto maior for o esforço de compactação tanto mais próximos uns dos outros se poderá forçar os grãos dos solos a ficarem. Porém, com pequenas umidades aparecerá atrito grão-a-grão que dificultará o esforço de compactação, impedindo o seu entrosamento completo, de forma a atingir grandes densidades.

É o que acontece no ramo esquerdo das curvas de compactação. Quando a umidade do solo for muito grande, esse estará quase saturado, não oferecendo resistência à compactação, porém, as densidades serão tanto mais baixas quanto maiores forem os teores de umidade, pois os filmes de água em torno dos grãos crescerão de espessura à medida que as umidades crescem. É o que acontece no ramo direito das curvas. No ponto correspondente à umidade ótima, a espessura do filme de água é próxima à estritamente necessária para saturar os vazios correspondentes à máxima densidade possível de ser obtida com o esforço de compactação empregado.

Precisando de Ensaios Geotécnicos? 

A Suporte pode te ajudar! Solicite um orçamento através do e-mail: orcamento@suportesolos.com.br


Leia também:

Ensaios Geotécnicos - Ensaio de Cisalhamento Direto  - O Objetivo e a Finalidade: acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Análise Granulométrica do Solo - A Curva e os Tipos de Análise:  acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Análise Granulométrica do Solo - O Objetivo e as Frações de Solo:  acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Compactação de Solos - Possíveis Fontes de Erros:  acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Compactação de Solos - O Histórico e o Conceito acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Determinação do Teor de Umidade acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Preparação de Amostras de Solo para Ensaios de Caracterização:  acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Classificação HRB - O método e os ensaios necessários: acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Consistência do Solo - Ensaios de Limite de Liquidez (LL) e de Plasticidade (LP): acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - Teor de Umidade dos Solos - Método da Estufa e o Método Speedy: acesse aqui

Ensaios Geotécnicos - CBR ou ISC - O Ensaio mais utilizado pelo Engenheiro de Pavimento:  acesse aqui


Bibliografia recomendada:

NORMA DNER ME 162/94 - Solo - Ensaio de Compactação utilizando amostras trabalhadas - Método de ensaio: acesse aqui

ABNT NBR 7182:2016 - Solo - Ensaio de Compactaçãoacesse aqui


Leave a comment